Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Você é a favor da terceira dose de vacina contra a covid - 19?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 13.10.2021 11:25h
Minas Gerais

Deputados apontam "escândalos" e "aparelhamento" da Cemig em favor do Novo

 

Parlamentares estaduais mineiros defendem a prorrogação, até pouco antes do recesso de fim de ano, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a gestão da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Na Assembleia Legislativa, a avaliação é que ainda há muitos tópicos a serem examinados. (Foto ilustração)

Por ora, os deputados se debruçam sobre contratos sem licitação firmados pela estatal. Elementos que ligam a condução da empresa ao partido Novo, do governador Romeu Zema, também estão em pauta. Ainda vão ser debatidas questões como a venda de participações em subsidiárias da companhia de luz.

A lista de contratos dispensados de licitação analisados pela CPI é encabeçada pelo acordo com a IBM, multinacional de tecnologia. A Cemig fechou trato de R$ 1,1 bilhão para serviços como o controle do call center que presta suporte aos consumidores. O pacto, porém, foi oficializado pouco tempo após a estatal romper acordo com a Audac, que havia vencido concorrência para controlar o atendimento telefônico. A IBM repassou essa tarefa à AeC, que havia participado – e perdido – do pregão vencido pela Audac. A AeC é de propriedade de Cássio Azevedo, ex-componente do secretariado de Zema. E m agosto, o Estado de Minas mostrou que, valendo-se de uma prerrogativa presente na lei que rege as estatais, a Cemig acionou, sem licitação, empresas que recrutam executivos no mercado . São quatro contratos que, somados, ultrapassam R$ 1 milhão.

O número de convênios celebrados sem concorrência chama a atenção de Professor Cleiton (PSB), vice-presidente e sub-relator da CPI. “Isso demonstra claramente o favorecimento de determinadas empresas e escritórios de advocacia com fortíssimas ligações com membros do Novo e da atual diretoria”, diz ele. “Está muito claro que uma empresa estatal está sendo tratada como empresa privada. Os escândalos são enormes”, assevera.

O “pacote” de acordos com as recrutadoras de executivos envolve o repasse de R$ 170 mil à Exec, responsável por conduzir o processo de escolha de Reynaldo Passanezi para a presidência da Cemig. O dirigente tomou posse em janeiro do ano passado. Em novembro de 2019, quando a estatal buscava empresas que pudessem captar nomes no mercado, a primeira proposta encaminhada pela Exec foi endereçada a um dirigente do Novo em Minas Gerais. A Exec, que tem sócios filiados à legenda, auxiliou na escolha dos secretários estaduais.

A ligação entre pessoas do Novo e os meandros da seleção de Passanezi demonstram, para a outra sub-relatora da CPI, Beatriz Cerqueira (PT), o que ela chama de “aparelhamento” da companhia de luz por parte da legenda de Zema. “É a utilização de uma empresa pública para cumprir interesses relacionados ao partido do governador. Já foi devidamente comprovado”, protesta.

O governista Zé Guilherme (PP) defende o processo que culminou na escolha do atual presidente da energética. “Qualquer partido que vence a eleição vai ajudar a governar. É da política. Em Minas, quem ganhou foi o Novo”, sustenta. “Em todos os outros governos, todas as nomeações foram políticas. Zema poderia nomear qualquer um que quisesse, mas tentou buscar no mercado uma pessoa que entendesse do mercado”.

‘Desidratação’

A venda de ações de empresas ligadas à Cemig também intriga os deputados. Eles querem investigar a alienação da participação da estatal na Light, elétrica sediada no estado do Rio de Janeiro. Outro ponto que chama a atenção é o pedido de recuperação judicial da Renova, que trabalha com energias renováveis, e tem na companhia mineira a dona de sua maior fatia.

A privatização de empresas públicas, como a Cemig, foi bandeira da campanha de Zema. A Constituição estadual determina que vendas devem ser autorizadas por plebiscito popular. Para dispensar o referendo, a lei precisaria ser alterada – o que só pode ocorrer com a anuência do Legislativo. “Considerando que o governador não conseguiu constituir maioria na Assembleia para alterar a legislação e conseguir fazer uma privatização rápida e sem consulta popular, na minha avaliação, ele mudou de tática. Ele começou a, por dentro da gestão da empresa, a desidratá-la, descaracterizar seu papel social e utilizá-la com aparelhamento partidário e de interesses partidários”, opina Beatriz Cerqueira.

Para Zé Guilherme, a CPI não ataca os pontos corretos. Ele crê que questões ligadas a governos anteriores precisam ser apuradas. “Vários investimentos, lá atrás, desviaram dinheiro de dentro da Cemig e tiraram recursos de Minas Gerais”. Antes de chegar às subsidiárias, no entanto, os parlamentares querem abordar a contratação de empreiteiras terceirizadas, que prestam serviços como a coleta de lixo. (Guilherme Peixoto/me.com.br)

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 


 
 
 
 
Facebook
 
 
 
 
BAN CAF CULTURA
 
Livro do jornalista Jnio Rego
 
Pazzi Povo FM
 
Jair Onofre - Alvorada Sertaneja
 
Genesio Serafim - Loja de vete
 
Lindiomar - Cerveja
 
Tinga - material eletrico
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2021

2020

2019

 
 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia