Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Deve ser proibido o uso de celular nas escolas?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 28.02.2023 13:50h
Recôncavo da Bahia

MPF quer fim de ocupações em território quilombola de Santo Amaro

 

O Ministério Público Federal (MPF) pede que a União adote inúmeras de medidas que objetivem preservar os modos de vida da comunidade quilombola de Acupe, em Santo Amaro, Recôncavo baiano. O grupo já vive há séculos às margens da Baía de Todos os Santos e sofrem com ocupação irregular das ilhas próximas, além do avanço de atividades econômicas na região. A comunidade tem tido dificuldades com o acesso limitado ao arquipélago, além das restrições cada vez maiores para praticar a pesca artesanal e consequentemente a coleta de mariscos, principais fontes de subsistência. (Foto ilustração)

Uma ação civil pública do MPF foi ajuizada na última quinta-feira, 23. O procurador da República Ramiro Rockenbach alega que a União tem agido com omissão omissa ao autorizar ocupação particular nas Ilhas da Coroa Branca, dos Cativos entre outras nas adjacências, embora as normas e decisões judiciais determinem o contrário. O Ministério Público pede ainda que o órgão embargue quaisquer atividade ou serviço nesses locais, e requisita também, caso necessário, apoio da força policial.

O MPF requer, em caráter liminar, que a União emita, no prazo de até 60 dias, Termo de Autorização de Uso Sustentável (Taus) ou a Concessão de Direito Real de Uso (CDRU) à comunidade de Acupe, documentos que garantem à ocupação das terras. Caso os pedidos sejam aceitos, o órgão vai ter que cancelar as inscrições provisórias que permanecem vigentes para o uso particular das ilhas e notificar os municípios envolvidos, além do governo do Estado para que não autorizem atividades em áreas de comunidades tradicionais sem antes consultá-las.

De acordo com relatos da comunidade, pessoas armadas acampam na Ilha da Coroa Branca, cercada por um muro de concreto a qual é desejada para a construção de um resort. Manguezais de outras ilhas próximas já foram desmatados ou apresentam barreiras de acesso.

Desde o ano de 2013, o MPF ajuizou duas ações civis públicas questionando os danos ambientais já em curso no arquipélago. Anos depois, entidades representantes dos próprios quilombolas, pescadores e trabalhadores rurais da região enviaram ao órgão reclamações quanto a ocupação irregular das ilhas. O assunto levou a uma nova tentativa do Ministério Público em março de 2021, por intermédio de duas recomendações à Superintendência de Patrimônio da União (SPU) para a anulação das autorizações emitidas a particulares nos locais. A SPU não acatou os pedidos e, até agora, nada foi feito para assegurar o uso das ilhas pela comunidade.

O impasse dos quilombolas passa também pela falta de celeridade do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em concluir a regularização fundiária do território, objeto de outra ação do MPF em andamento. O Ministério Público reitera que os atrasos e omissões da União desrespeitam a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, instituída pelo Decreto nº 6.040, de 2007, o que estaria afrontando também uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de agosto de 2021, que determinou diversas medidas para acelerar os processos de titulação e garantir os direitos desses grupos.

A ocupação irregular das ilhas na Baía de Todos os Santos vai de encontro com a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da qual o Brasil é signatário. De acordo com o tratado, comunidades tradicionais devem ser antes consultadas, de maneira livre e informada, sobre quaisquer atividades que possam atingir o modo de vida. A sondagem deve se basear em diálogo constante sob coordenação dos órgãos públicos responsáveis. O posicionamento do grupo deve ser acolhido para que se defina os rumos do projeto em questão. (atarde) 

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 
 
 
Pazzi Povo FM
 
Jair Onofre - Alvorada Sertaneja
 
Tinga - material eletrico
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2024

2023

2022

 
 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia