Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Deve ser proibido o uso de celular nas escolas?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 31.07.2023 14:40h
Brasília

Insatisfeito com Lula, MST volta a invadir terrenos em Brasília às vésperas do retorno da CPI

 

Alvo de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que retoma os trabalhos após o recesso nesta terça-feira, o Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) voltou a realizar ocupações na última semana. Neste período, invadiu quatro terrenos em Pernambuco e Goiás. Na Bahia, integrantes foram ameaçados por fazendeiros nesta madrugada. (Foto ilustração)

A mais recente ocorreu neste domingo, quando o movimento ocupou um terreno que pertence à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). O intuito da invasão é impedir o Semiárido show, evento do agronegócio que ocorre nesta terça-feira. De acordo com o próprio MST, a atitude foi uma reação à gestão do presidente Lula (PT). O Ministério do Desenvolvimento Agrário não cumpriu o assentamento de 1550 famílias, que teria sido negociado em abril deste ano.

"Sem acesso a terra às famílias tem todo direito de protestarem, a criação de assentamentos no momento de reconstrução da economia do país poderia ser um forte instrumento de desenvolvimento local. A Embrapa Semiárido insiste em usar sua estrutura para fazer feirinha para o Agronegócio e para o Agronegocinho", disse o MST em nota.

Durante o Abril Vermelho, o movimento havia invadido este mesmo terreno da Embrapa, mas acabou retirado por decisão judicial. Na ocasião, o MST afirma que solicitou certas demandas de Lula, como a concessão de seis mil hectares na região e a recriação da Superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) de Petrolina.

Também neste domingo, cerca de 60 famílias do movimento foram ameaçadas por fazendeiros que chegaram armados em um acampamento montado pelo MST em Itiruçu, há 330 quilômetros de Salvador, na Bahia.

Desde o final do Abril Vermelho, o movimento havia passado por um período de menor atividade, onde apenas uma invasão havia ocorrido, em Santa Cruz do Rio Pardo (SP). As primeiras ocupações voltaram a ocorrer entre terça e segunda-feira da semana passada em Caruaru (PE) e Hidrolândia (GO), respectivamente.

Em Pernambuco, 180 integrantes ocuparam uma área de 500 hectares. Já em Goiás, 600 famílias estão na Fazenda São Lukas sob o argumento de que a propriedade pertencia a um grupo criminoso condenado pela Polícia Federal.

O INCRA expediu solicitação para que as famílias deixem a área em Hidrolândia em um prazo de até dez dias. Até o momento, já se passaram sete e o movimento afirma que os integrantes não desocuparão a área.

Dissonâncias com Lula

Esta não é a primeira vez que o movimento manifesta descontentamento com o governo. Em live em junho deste ano, Lula afirmou que não seria mais necessário invadir terra já que sua gestão promoveria a reforma agrária.

Momentos após a fala, o MST convocou um tuitaço contra a CPI, medida que já vinha efetuando em todos os dias de sessão do colegiado, mas com mensagens em prol das ocupações. "Ocupar a terra é defender a natureza porque o MST tem um projeto: reforma agrária popular”, dizia um texto. (oglobo)

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 
 
 
Pazzi Povo FM
 
Jair Onofre - Alvorada Sertaneja
 
Tinga - material eletrico
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2024

2023

2022

 
 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia