Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Deve ser proibido o uso de celular nas escolas?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 24.11.2023 10:50h
Ministro da Fazenda

Haddad: desoneração da folha é inconstitucional e governo apresentará nova proposta após a COP28

 

Após o governo vetar o projeto de lei aprovado pelo Congresso que prorroga a desoneração da folha de pagamentos para 17 setores, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (foto ilustração), afirmou nesta sexta-feira, 24, que a medida é inconstitucional. Segundo ele, a proposta teria um custo anula de R$ 25 bilhões aos cofres públicos. Haddad ainda declarou que o Ministério da Fazenda apresentará uma proposta para substituir o subsídio quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva retornar de viagem para participar da COP28, a Conferência Climática da ONU.

"No caso da desoneração dos setores, na volta da COP, vamos apresentar ao presidente um conjunto de medidas para equacionar esse problema. Também vamos levar ao Congresso as razões do veto à desoneração e uma alternativa ao que foi vetado", disse o ministro da Fazenda.

A desoneração da folha é um mecanismo que permite que empresas de 17 setores paguem como contribuição previdenciária alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, em vez de 20% sobre a folha de salários. A medida foi criada ainda na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2011, e foi sucessivamente prorrogada. Com o veto presidencial, a proposta perderá a validade em dezembro deste ano.

Na justificativa presidencial do veto, Lula afirma que apesar da boa intenção do Congresso, o projeto é inconstitucional e contraria o interesse público por criar renúncia fiscal sem apresentar impactos financeiros e formas de compensação. Na proposta aprovado pelo Legislativo, ainda havia previsão de redução da alíquota da contribuição previdenciária patronal paga pelas prefeituras.

Próximos passos

Com a decisão de Lula, deputados e senadores podem derrubar o veto presidencial em sessão do Congresso. Ainda não há data para que isso ocorra, mas parlamentares favoráveis a medida pretendem pautar o tema o mais rápido possível.

Os 17 setores impactados com a medida afirmam que o aumento nas contribuições pode implicar demissões. O ministro da Fazenda, entretanto, rebateu esse argumento.

“Setores falavam em contratações quando começou a desoneração e elas não aconteceram”, disse Haddad. (Exame) 

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 
 
 
Pazzi Povo FM
 
Jair Onofre - Alvorada Sertaneja
 
Tinga - material eletrico
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2024

2023

2022

 
 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia