Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Você daria um Título de Cidadão a Jair Bolsonaro?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 30.05.2013 12:18h
Thiago Rios

A mídia golpista e o aliado inesperado

 
Os grandes conglomerados de mídia do Brasil, que prestam o desserviço de desinformar e manipular a população, tem ganhado aliados inesperados. Em entrevista nas páginas amarelas da nefasta revista Veja, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT-BA), se presta a endossar as práticas de uma imprensa conservadora e golpista.
 
Os conglomerados de mídia no país cumprem o papel de correia de transmissão dos reacionários em defesa do estado mínimo. Pelo arrocho salarial e precarização nas relações de trabalho. Contra os direitos sociais e a distribuição de renda. É exatamente contra isso que a CUT tem lutado, em defesa da comunicação como um direito humano elementar, que o Estado deve assegurar com políticas públicas específicas.
 
Sobre a revista Veja, não é preciso muito esforço para definir um veículo que se presta a criminalizar os movimentos sociais e a luta pela reforma agrária. É a favor da privatização do que quer que seja, incluindo os setores de infra-estrutura. Faz uma campanha intermitente para desqualificar o programa Bolsa Família. Se posiciona contra as cotas e o Prouni. Abomina a PEC das domésticas.
 
É nesse espaço conservador, que em recente entrevista, Wagner se sai com a pérola de que “O Brasil não começou com o PT” para endossar o discurso equivocado de confundir liberdade de expressão com liberdade de imprensa. Quando elegemos um candidato comprometido com um projeto alinhado ao movimento sindical, social e popular, não esperávamos esse tipo de conduta
 
Estou certo de que o governador Jaques Wagner sabe a importância da comunicação como direito humano. A Bahia, sob o seu governo, foi o primeiro estado brasileiro a criar o Conselho de Comunicação, do qual a CUT faz parte. O Conselho está posto diante da necessidade de um regramento para o setor, como um espaço de disputa política e ideológica, no qual estão presentes representantes da sociedade civil, de empresários e do governo
 
Ao tentar parecer “menos radical” aos olhos dos conservadores e golpistas de plantão, Wagner se presta a desconstruir a luta que ele mesmo ajudou a elaborar enquanto um dos fundadores da Central Única dos Trabalhadores e do Partido dos Trabalhadores. Mais uma vez, da forma leviana à qual está acostumada, a revista Veja achincalha o movimento sindical e o PT, inventa subterfúgios para continuar apregoando os seus ideais reacionários e coloca como seu aliado o governador do PT.
 
Num ponto Wagner tem razão: “Conteúdo é livre, cada um escreve o que pensa. A liberdade de expressão é um valor inatacável”. Infelizmente, os que se dizem defensores da liberdade de imprensa são os mesmos que se utilizam da mídia para manipular e desinformar. Se cada um escreve o que pensa, por que não ampliar a voz dos movimentos sociais? Esse é o questionamento.
 
A nós, resta continuar mobilizados na campanha “para expressar a liberdade, uma nova lei para um novo tempo”, do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) por uma sociedade democrática, na qual um governador não tenha que apagar a sua história de luta para poder aparecer ao lado dos inimigos. (Escrito por: Thiago Rios, secretário de Comunicação da CUT-BA)
 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 


 
 
 
 
Facebook
 
 
 
BAN CAF CULTURA
 
Livro do jornalista Jnio Rego
 
Pazzi Povo FM
 
Iau - cavalgada
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2019

2018

2017

 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia