Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Você daria um Título de Cidadão a Jair Bolsonaro?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 02.12.2013 14:20h
Ponto de Vista

O Poder da manipulação

 
Escritor Osvaldo Ventura

Escritor Osvaldo Ventura

Pela inexistência atual de comunista devorador de criancinhas, a elite brasileira, eterna adversária irracional e raivosa de governos com viés popular, trocou de estratégia. No passado, aterrorizava as massas com o fantasma do comunismo ateu, que viria provocar a dissolução da família, a extinção da propriedade privada e causar a divisão de tudo, para estabelecer o caos. Projetava-se, então, no âmbito das camadas desprovidas de informação, no meio dos inocentes- úteis e analfabetos políticos, que o apocalipse estava sendo trazido no ventre do comunismo destruidor.

Hoje, com um governo trabalhista no Brasil e sem o “fantasma” do comunismo, era necessário substituir os velhos, desgastados e anacrônicos argumentos pretéritos. Então, surgiram novas alegorias de um antigo enredo, sem o ranço do anticomunismo, porém com maior capacidade de difusão do reacionarismo, manipulação dos crédulos, dos incautos e ingênuos, distorção dos fatos, disseminação das aleivosias e transformação das mentiras absurdas em verdades absolutas. Tudo isso com a participação danosa e ostensiva do poder incontrastável das corporações midiáticas, de propriedade das classes dominantes nativas, quiçá, as mais conservadoras e coléricas ao Sul do Equador. Ressalte-se que é histórica a rejeição, por parte das classes dominantes brasileiras, de um presidente da república que venha demonstrar a mais leve vocação trabalhista.

Neste momento, coerente com seu passado de querer assumir o poder utilizando-se de métodos heterodoxos, a burguesia nacional assesta suas baterias contra as políticas públicas de inclusão social, praticadas por um governo de tendência popular, que dentre outras proposições, destacam-se aquelas que pretendem diminuir as injustiças e desigualdades sociais reinantes no seio das comunidades mais carentes.

Com a atual mudança das condições objetivas, a burguesia nacional entendeu que havia necessidade de substituir o desacreditado discurso de ontem por outro, no qual o caráter ideológico ficasse menos explícito. Assim, o pavor difundido por uma hipotética implantação do comunismo no Brasil, transformou-se em um moralismo hipócrita, numa recusa preconceituosa em admitir a “ousadia ascensional dessa gente”, como também em infundado receio da perda de privilégios históricos que não se coadunam com princípios da cidadania. O que, diga-se de passagem, por mais que pretendessem disfarçar, só veio reafirmar o eterno conflito de classes, trazendo para o centro da arena o inevitável embate ideológico.

Na verdade, a insensibilidade oceânica que domina (com as exceções da regra) quem detém os meios de produção no Brasil deve ser fruto do patrimonialismo atávico da Casa Grande, na qual a compaixão e o olhar solidário jamais tiveram abrigo. Desse modo, explica-se porque uma pessoa que desfruta de situação confortável do ponto de vista econômico-financeiro, não tenha o mínimo sentimento de solidariedade para com aqueles que vivem na miséria, à margem do processo civilizatório.
 
 
 
 
 
 
 
 
Comente Ler Comentário (1)
 
 

Comentários:

 
Antonio Carlos escreveu:
ótimo comentario.inclui-se eentre estas Mídias o presente Blog que so defende a Direita citada no comentário
 
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 


 
 
 
 
Facebook
 
 
 
BAN CAF CULTURA
 
Livro do jornalista Jnio Rego
 
Pazzi Povo FM
 
Iau - cavalgada
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2019

2018

2017

 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia