Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Você já escolheu seu candidato para presidente da República?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 12.01.2018 14:32h
Rio de Janeiro

Jungmann e Pezão descartam atuação das Forças Armadas no carnaval do Rio

 

A atuação de militares das Forças Armadas no policiamento ostensivo do Rio de Janeiro durante o carnaval não será liberada pelo Ministério da Defesa nem pelo Governo do Rio de Janeiro. O ministro Raul Jungmann e o governador Luiz Fernando Pezão participaram hoje (12) de uma reunião sobre o plano integrado de segurança e afirmaram à imprensa que não há necessidade de recorrer à medida, defendida ontem (11) pelo prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella. (Foto: ministro Jungmann e Pezão)

"Existe um plano de segurança nosso que sempre funcionou no carnaval. Não vamos pedir Forças Armadas", disse Pezão, que comparou o evento com o Réveillon, que foi patrulhado sem reforço de militares. "Acho que não precisa. Sempre fizemos o carnaval com os nossos policiais."

O ministro da Defesa concordou com a avaliação de Pezão e disse que a melhora na capacidade de pagamento salarial e de reposição de efetivo no governo do estado afasta essa necessidade. "Não há descontrole, não há desordem. O governo do estado enfrentou grandes eventos recentemente sem precisar de Forças Armadas."

Jungmann ainda acrescentou que empregar militares no patrulhamento do carnaval do Rio geraria questionamento de outras cidades com grandes carnavais, como Recife e Salvador. (EB)

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 


União Médica

 
 
 
 
Facebook
 
 
 
BAN CAF CULTURA
 
Livro do jornalista Jnio Rego
 
Look Pessquisas
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2018

2017

2016

 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia