Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

O presidente Jair Bolsonaro deve deixar o PSL, partido que foi eleito?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 08.11.2019 09:41h
Política

Não sou traidora, me sinto traída, diz Dayane após crise do PSL

 
Foto Divulgação

A deputada federal Dayane Pimentel (PSL-BA) disse, em entrevista à Rádio Metrópole hoje (8), que se sente traída diante da crise no seu partido, que culminou com a saída de Delegado Waldir (GO) da liderança da legenda na Câmara e substituição por Eduardo Bolsonaro (SP).

Ela foi uma das parlamentares que apoiou a permanência de Waldir no posto, e não assinou a lista para que Eduardo pudesse assumir o cargo.

"Eu não sou traidora. Eu continuo com as mesmas pautas. Eu me sinto traída, porque a partir do momento que confio na pessoa, olho nos olhos e ela me garante que posso contribuir, mas ela me mostra que não posso nem divergir, então a traída sou eu", defendeu.

Dayane sustenta que apoiou a continuidade do deputado de Goiás na liderança porque foi um compromisso assumido ainda na campanha. Ela afirma que chegou a receber uma ligação do presidente Jair Bolsonaro, que procurou também outros deputados da sigla para convencê-los a chancelar a escolha do filho como líder do PSL.

"Eu preferi não atender. Mantive minha postura. (...) Significa que cumpri com minha palavra, que foi a liderança que foi meu compromisso do início do mandato", declarou Dayane.

Segundo a deputada, ele vai seguir apoiando o presidente nas suas pautas, mas desde que seja a favor da população. Para ela, se tiver dificuldade nas conquistas do seu mandato, ficaria claro que seria uma retaliação.

"Se nem esquerda tá tendo, se eu tiver vai ficar claro que é retaliação e não vai ser a mim, vai ser ao meu estado. Continuo apoiando pautas de Bolsonaro, sou seu soldado e acredito em suas pautas, desde que venha beneficiar povo baiano", afirmou. (M1/ Foto Reprodução) 

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 


 
 
 
 
Facebook
 
 
 
BAN CAF CULTURA
 
Livro do jornalista Jnio Rego
 
Pazzi Povo FM
 
LADO A LADO COM VOC
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2019

2018

2017

 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia