Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Você acredita que haverá segundo turno para presidente no Brasil em 2022?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 22.11.2019 14:00h
Deputados "bolsonaristas"

Risco de perder mandato faz deputado aliado evitar criação do Aliança

 

Pelo menos dois deputados do “PSL bolsonarista” evitaram assinar a ata de fundação do Aliança pelo Brasil, lançado ontem pelo presidente. (Foto ilustração: deputados General Peternelli e Carlos Jordy)

Foram orientados a isso, sob o risco de perderem seus mandatos por infidelidade. Há precedentes na Justiça Eleitoral.

O deputado General Peternelli (PSL-SP) evitou até mesmo ir ontem ao hotel onde ocorreu a convenção. E citou uma metáfora do futebol.

“Prudência. Claro que estou ao lado do Bolsonaro. Mas a legislação não é clara sobre isso. Não pode o Neymar, no PSG, assinar ficha de outro clube”, disse Peternelli ao Radar.

Carlos Jordy (PSL-RJ) foi, mas não assinou. Colocou o pai e irmão para endossarem.

A orientação que receberam de um advogado eleitoral foi a seguinte: a legislação diz que um simples filiado não pode assinar ficha de apoiamento para criação de um novo partido. Portanto, ninguém do PSL pode subscrever.

O antecedente utilizado é caso do ex-deputado federal Rodovalho, do Distrito Federal. Ele era do Democratas e foi para o Partido Progressista (PP), mas usou como justificativa e trampolim a criação do Partido Socialista da República (PSR). Teve o mandato cassado. (veja)

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 


 
 
 
 
Facebook
 
 
 
 
 
Pazzi Povo FM
 
Jair Onofre - Alvorada Sertaneja
 
Tinga - material eletrico
 
Magno Felzemburg - Consumidor
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2022

2021

2020

 
 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia