Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Você já definiu em quem votar para prefeito e vereador em 15 de novembro?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 29.11.2019 14:30h
Distrito Federal

Vitória do DF: STF decide que só pode revisar salário de servidor com previsão orçamentária

 

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu no fim da noite de ontem (28) que revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos depende, cumulativamente, de dotação na Lei Orçamentária Anual e de previsão na Lei de Diretrizes Orçamentárias. A decisão serve para todo o Brasil e livra o governo do Distrito Federal de pagar R$ 5,6 bilhões em parcelas de reajustes acumulados. (Foto ilustração)

A tese de repercussão geral fixada para todo o poder público do Brasil atende ao apelo do Governo do Distrito Federal ao STF, para a capital federal não ser obrigada a implantar reajustes parcelados concedidos no governo de Agnelo Queiroz (PT), para ser assumido por seus sucessores.

O reajuste planejado a longo prazo para agradar sindicalistas não mediu consequências para os cofres públicos e já somava um passivo cerca de R$ 5,6 bilhões não pagos da 3ª parcela até dezembro de 2019, sem correção monetária. Isso porque os sucessores do governo petista, Rodrigo Rollemberg (PSB) e Ibaneis Rocha (MDB), decidiram não assumir as parcelas que tinham um impacto de R$1,3 bilhão a partir de 2020.

Em dezembro de 2019, por conta dos acréscimos de fim de ano, a folha do DF custaria R$ 231 milhões. E, a partir de janeiro de 2020 o acréscimo nas folhas de pagamento seriam R$ 99 milhões.

O pagamento repercutiria em: vencimento básico; gratificação de habilitação; incorporação da GATA; reflexo na redução da carga horária da saúde; adicional de tempo de serviço, e demais gratificações que tem como base o vencimento básico.

Em julgamento virtual do Recurso Ordinário nº 905357, iniciado no dia 22 e concluído ontem, a maioria dos ministros do STF decidiu acompanhar a tese proposta pelo relator Alexandre de Moraes. Acompanharam o relator os ministros Roberto Barroso, Luiz Fux, Rosa Weber e Gilmar Mendes. Enquanto os votos divergentes foram dos ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello. (DP)

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 


 
 
 
 
Facebook
 
 
 
BAN CAF CULTURA
 
Livro do jornalista Jnio Rego
 
Pazzi Povo FM
 
Jair Onofre - Alvorada Sertaneja
 
Genesio Serafim - Loja de vete
 
Lindiomar - Cerveja
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2020

2019

2018

 
 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia