Bahia na Política por Jair Onofre
 

 
 
 

Você acredita que a democracia está ameaçada no Brasil?



Parcial
 
 

Entrevista: Empresário Flávio Rocha
“O Estado gasta com privilégios e falta o essencial”

Empresário bem sucedido, dono da rede de lojas Riachuelo, uma das maiores do Brasil, o pré-candidato à presidência da República Flávio Rocha (PRB) esteve em Feira de Santana. Em um encontro conturbado com empresários, já que sua palestra não passou de 15 minutos, falou sobre direita e esquerda e “nós contra eles”. Antes da palestra, em entrevista coletiva à imprensa, disse que o momento é de parceria dos que produzem, geram riquezas e empregos e que pagam a conta desta gigantesca farra estatal. Ele entende que próxima eleição, que é a mais importante da história do Brasil, pelo menos no período pós-democratização, é um conflito avesso a todos esses conflitos artificiais que foram gerados e que uma pequena elite da aristocracia burocrática puxa a carruagem que está em cima. Ou seja, “os conflitos do que produzem e os que parasitam na máquina estatal”.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Enviado por Jair Onofre - 31.08.2020 08:17h
São Paulo

Apesar da pandemia, abertura de empresas cresce 6% em julho

 

O número de novas empresas abertas em julho superou o do mesmo período de 2019, no estado de São Paulo. Considerando microempreendedores individuais (MEI), matrizes e filiais, a Junta Comercial registrou a abertura de 21.788 novos empreendimentos, um aumento de 6% em relação ao mesmo período do ano passado, que teve 20.187. (Foto ilustração)

Já as empresas fechadas foram 11.015, resultando em um saldo positivo de 10.773 novas empresas instaladas em julho deste ano, também maior que o registrado no mesmo perído de 2019, de 10.175, com 10.012 encerramentos.

No Brasil, houve uma recuperação em relação aos meses de abril e maio, auge do isolamento social por causa da pandemia de coronavírus, e o saldo positivo ficou em 168 mil empresas abertas em julho. Segundo o painel Mapa de Empresas, do Ministério da Economia, foram 250.308 aberturas e 81.816 fechamentos.

"É surpreendente diante de uma pandemia com uma crise econômica dessa magnitude que tenha pessoas abrindo empresas. Uma causa possível, por incrível que parece, é o aumento do desemprego. O momento atual levou mais pessoas a buscar alguma forma de renda através de novos empreendimentos", avalia o economista Mauro Rochlin, professor dos MBAs da FGV.

Outra possibilidade seria a busca pela formalização como alternativa para perda de renda. O trabalhador informal, por exemplo, não tem acesso à maquininha de cartão de crédito. "Eu vejo que isso é um fator fundamental para viabilizar os negócios. Com um mínimo de formalização, as pessoas têm uma alternativa para gerar renda ou obter crédito", explica.

O impacto do auxílio emergencial na economia também pode ser uma das explicações, segundo Rochlin. O benefício, criado para a população de baixa renda e trabalhadores informais enfrentar a crise provocada pela covid-19, já atingiu 67,2 milhões de pessoas, com um total de R$ 183 bilhões pagos desde abril.

"Algumas atividades tiveram aumento de demanda, como material de construção no varejo. O auxílio pode justificar demanda maior para alguns produtos e também para algum tipo de iniciativa que envolveria abertura de empresas", conclui o economista. (R7) 

 
Comente Sem Comentários
 
 

Comentários:

 
Sem comentário para essa postagem!
 

Comente:

 

Nome:

Comentário:

 
 

 

 
 
 
 


 
 
 
 
Facebook
 
 
 
 
 
 
 
Pazzi Povo FM
 
Jair Onofre - Alvorada Sertaneja
 
Tinga - material eletrico
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2022

2021

2020

 
 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia