Bahia na Política por Jair Onofre
 
 

 
 
 

Você acredita que Lula será preso?



Parcial
 
 

Entrevista: José Edvaldo Rocha Rotondano

O presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), desembargador José Edivaldo Rocha Rotondano, visitou sexta-feira (7), a cidade de Santo Estevão Antonio Cardoso. Foi assinar convenio junto a Prefeituras Municipais para viabilizar a estrutura para que os municípios realize o cadastramento biométrico eleitoral. Minutos antes da solenidade que ocorreu na Câmara Municipal de Antonio Cardoso, o magistrado conversou um pouco com a imprensa presente, puxado pelo site Bahia na Política:

Bahia na Política: Presidente inicialmente, saber do senhor o que lhe traz aqui a cidade de Antônio Cardoso?

Presidente do TRE: Hoje um convênio, um termo de parceria técnica de cooperação técnica a ser assinado entre a prefeitura de Antônio Cardoso e o Tribunal Regional Eleitoral para viabilizar, para incrementar e para alcançar o objetivo do município, do TRE, aliás, que é biometrizar todo eleitorado de Antônio Cardoso e para isso nós contamos com o apoio da prefeitura no sentido de auxiliar o TRE com o pessoal de apoio com espaço e com imóveis dentre outras coisas.

Leia Mais

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Enviado por Jair Onofre - 25.08.2017 09:12h
Marialvo Barreto

O Município Planeja a Expansão Urbana. O Capital é Chamado para Investir

 

 Esta é a lógica acertada do planejamento urbano, mas que não acontece em Feira de Santana. Aqui o setor imobiliário planeja seus loteamentos e condomínios, adensa populações em determinados bairros, complica o trânsito, e, depois transfere os problemas subsequentes para o setor público, por falta deste planejamento e de atitudes de governo.

                VELHAS ESTRADAS DE ROÇAS ESTÃO SENDO CHAMADAS DE AVENIDAS, falsificando o sentido original para esta nomenclatura – teriam que ter pelo menos largura.

                Feira continua com as mesmas e poucas avenidas largas planejadas nos anos 50 do século XX, por Dr. Brito, hoje em expansão, a exemplo das Avenidas Getúlio Vargas, Maria Quitéria e a Av. Anchieta, rebatizada de João Durval Carneiro e Airton Sena, e, o anel do contorno, Av. Fróes da Mota, uma rótula que teve como objetivo tirar o trânsito das BRs 116 e 324 do centro da cidade, mas que a dinâmica do crescimento urbano da Princesa do Sertão o atravessou com facilidade, com imensos bairros fora deste anel.

E é justamente aí que está o princi...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
 
Enviado por Jair Onofre - 07.06.2017 06:28h
Estamos na Semanada do Meio Ambiente, primeira sem

FEIRA DE SANTANA: Considerações sobre Planejamento e Conhecimento Ambiental em seu território

 

Para qualquer pessoa envolvida em planejamento, a primeira premissa para o sucesso é ter um bom diagnóstico daquilo que é o objeto do seu planejamento. Quanto maior o número de variáveis diagnosticadas maior poderá ser o acerto do rumo.                 Pois bem, em Feira de Santana o planejamento é feito às escuras, por falta de diagnóstico ambiental e sócio econômico, salvando-se aqui as informações do IBGE e aquelas geradas por programas federais.                 Quero me ater nesta matéria à falta de conhecimentos sobre o quadro geoambiental em nosso Município, em homenagem a semana do meio ambiente e em função das consequências negativas para aplicação de políticas, projetos e programas que a sua ausência acarreta.                 Na sua última passagem pela Prefeitura de Feira, o Prefeito João Durval Carneiro procurou a Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, para fazer o primeiro diagnóstico geoambiental e socioeconômico do Município, considerando que não dispomos sequer de uma carta topografia em escala 1:100000, como tem a maioria dos municípios no País, desde a década de 70 ( projeto ...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
 
Enviado por Jair Onofre - 09.05.2017 08:12h
Abusos

Continua a “festa” dos cargos comissionados

 

É bastante frequente a divulgação de fatos relativos a abusos na criação de cargos em comissão nas mais distintas esferas do Poder Público. Para aqueles que não têm muita familiaridade com a matéria, cumpre esclarecer que cargos comissionados são aqueles de livre nomeação e exoneração, enquanto cargos efetivos devem seguir dispositivos constitucionais que determinam a obrigatoriedade de concurso público. Em contrapartida, no caso destes últimos, superado o estágio probatório, o agente público conquista sua estabilidade, fazendo jus a regras mais rigorosas para ser desligado do quadro funcional da Administração. Ambas as espécies estão previstas no art. 37, inciso II, da Constituição Federal.

O inciso V do mesmo dispositivo constitucional determina que as funções de confiança, para as quais podem ser nomeados os comissionados, devem se voltar a tarefas de direção, chefia e assessoramento. A razão para isso é evidente. Conferir eficiência à gestão pública também deve passar pela competência profissional dos agentes públicos que desempenham suas atividades em prol dos misteres administrativos.

...

Continue lendo »

 
Comente Ler Comentário (1)
 
 
Enviado por Jair Onofre - 01.03.2017 12:08h
Itamar Ribeiro

JOSÉ RONALDO (DEM) E RUI COSTA (PT) SE APROXIMAM VISANDO 2018

 
Jornalista Itamar Ribeiro

Jornalista Itamar Ribeiro

O carnaval findou. Um adágio popular na Bahia diz [tudo só começa depois do carnaval]. Sendo assim é hora de se avaliar, o que foi feito até o momento nos bastidores políticos, com o olhar para eleição majoritária em 2018. Vem às fases de acomodações partidárias através dos estudos estatísticos para galgar postos mais altos (senador e governador). Em 2018 na Bahia, duas vagas vão concorrer ao Senado da República, nomes é o que não faltam para compor a chapa majoritária, mas na conjuntura atual é preciso estar com o nome limpo, para não manchar a chapa encabeçada para o governo do estado. O governador Rui Costa (PT), que deseja ir à reeleição, já vê esse predicado com muita atenção.

Qualificação: O candidato ao Senado é necessário ter densidade eleitoral, nome limpo, estar bem no cenário político e próximo de quem vai startar o processo eleitoral. Um nome que vem sendo cogitado nos bastidores (Senado) é o do prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM). Já se comenta que houve convite, para o democrata se abrigar ao Partido Progressista (PP) com a garantia de participar da chapa majoritária. Nada se descarta, o que se ...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
 
Enviado por Jair Onofre - 20.02.2016 11:16h
Ponto de Vista

Educação a Distância: Aprendizagem flexível viabilizando a formação de pessoas

 

As pessoas que desejam a formação de nível superior para melhor posicionamento profissional, pessoas que não dispõem de instrução formal de nível fundamental e médio, assim como os jovens e adolescentes que evadiram da escola sem emprego, buscam alternativas para suprir as deficiências, para ingressar e/ou reingressar no mundo produtivo. O processo educacional formal constitui-se na melhor saída e o ensino a distância surge como meio de superação das dificuldades.

As inovações tecnológicas associadas às evoluções na área das telecomunicações produziram efeitos dinamizadores no acesso à educação formal inicial e continuada, proporcionando oportunidades diversas para a formação profissional, eliminando fronteiras, reduzindo barreiras, encurtando distância, aproximando as pessoas, superando os limites do espaço e tempo e ampliando as possibilidades de acesso ao conhecimento.

A educação a distância vem cumprir papel importante na formação de pessoas, atendendo ao grande contingente populacional que não obteve a formação de nível superior e que atua profissionalmente com formação prec&aacut...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 28.11.2015 09:03h
A Vitória da União

UNIÃO, foi isso que levou Marcus Carvalhall a presidência da OAB de Feira de Santana.

 

Em favor de uma OAB moderna e que buscasse representar os reais anseios dos advogados feirenses, colegas que outrora tinham grupos pré-constituídos se despiram de suas divergências e buscaram o diálogo como forma de construir um projeto único para Feira de Santana. Mas para que possamos entender melhor como isso aconteceu é necessário voltarmos três anos, quando das eleições para o triênio 2013/2015.

Naquele momento existiam sim grupos de advogados que buscavam, de forma legítima, representar os colegas na nossa instituição, Pedro Mascarenhas foi candidato único, já que o outro grupo abdicou de lançar candidato próprio na eleição da Subseção para apoiar exclusivamente Luiz Viana, que se lançava em seu primeiro pleito como candidato. Os dois grupos saíram vitoriosos!

No início das gestões os grupos se estudaram, e já em um primeiro momento, lembro-me de Carlos Eduardo, vice de Pedro, revelar que tínhamos mais pontos em comum de que de divergência, esse foi o start da aproximação.

As propostas apresentadas por Luiz Viana Queiroz, já no seu primeiro ano, eram uma verdadeira revolução na OAB, pois ...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 10.09.2015 09:06h
Celso Pereira

No Estado Justiça é virtude?...

 
Celso Pereira é advogado

Celso Pereira é advogado

Ao nosso entender instituições são entes, ou organizações como querem os juristas, de valor para a sociedade, para os homens, e que mantêm, que sustentam, que promovem, conservam e defendem valores, normas, leis de todas as naturezas: culturais, materiais, integridades, garantias e outros e outros.

Há instituições de Estado que são como que tijolos na construção do arcabouço da sociedade. São instituições públicas que a sociedade preserva e estas preservam a sociedade na ordem e no disciplinamento da vida em comum.

Assim, a exemplo é o Poder Judiciário. Além de Poder da República, é uma instituição valorosa na manutenção da ordem e do clima de harmonia entre os cidadãos e seus direitos.

Pois bem, quando essas instituições não cumprem seu papel, abre-se um vácuo na sociedade e naturalmente é dado como ausente o Estado nesse ou naquele setor ou área.

Quando as instituições de Poder não cumprem seu papel, é presença pior que ausência. Ocupa espaço, não raro monopolista, e cria no cidadão o sentimento de dispensá-lo, de que melhor será substituí-lo ou ainda pior de que pode ignorá-lo.

Nós estamos a ...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 28.07.2015 07:03h
(*) Osvaldo Ventura

A VOZ DO POVO

 

Na abertura do Capítulo 14 da excelente biografia “João Durval – Um Construtor de Caminhos”, seu autor, o não menos excelente escritor Luiz Almeida, membro da Academia Feirense de Letras, destaca uma frase da escritora russa Helena Blavatsky bastante simbólica para os dias atuais vividos aqui no Brasil: A opinião pública é a mais perigosa das bestas, pois é composta de mediocridades individuais.

Quanto à primeira parte da construção fraseológica da distinta escritora, pode-se admitir sua assertiva, haja vista os perigosíssimos equívocos perpetrados pelo povo, sempre que é chamado a opinar sobre assunto meramente racional, mas, por motivos emocionais, termina resvalando para o sentimentalismo piegas.

De fato, apesar do velho adágio de que “A voz do povo é a voz de Deus”, há que se ter muito cuidado com os julgamentos do povo quando ele se deixa envolver pela emoção ou, ainda mais grave, quando está completamente dominado pela comoção que perturba a capacidade de raciocinar e afasta a bússola do bom senso.

Por outro lado, muitas vezes a denominada opinião pública nada mais é do que o fruto podre da “opini...

Continue lendo »

 
Comente Ler Comentários (3)
 
Enviado por Jair Onofre - 09.07.2015 06:28h
(*) Osvaldo Ventura

MIGRAÇÃO

 
Escritor Osvaldo Ventura

Escritor Osvaldo Ventura

O mundo assiste atônito à desenfreada onda de migração nunca vista nos tempos modernos. Estima-se que já ultrapassa oitenta milhões o número de pessoas que deixaram suas nações de origem em busca de subsistência em terras estrangeiras. Os povos dos continentes asiático e africano são os que mais padecem com essa diáspora. E a Europa, pela proximidade, é o destino maior dos emigrantes. Literalmente “cansado de guerras” e envolto numa crise interminável que asfixia seus nacionais, o Velho Continente ainda não encontrou uma solução para o angustiante problema. Apelos são feitos à União Europeia e à Organização das Nações Unidas (ONU) com objetivo de estimular o debate entre países membros, para que juntos possam encontrar uma saída envolvendo as partes interessadas. Em vão, pois esses organismos multilaterais, que supostamente deveriam administrar problemas que afetam multidões em qualquer lugar do Planeta, são dominados pelos interesses dos mais ricos, daqueles que detêm maior poder político e somente olham para o próprio umbigo. Movimentam-se, apenas, no sentido de resolverem suas questões internas. No Reino Unido, por exemplo, onde outrora o Sol jamais se punha, o imigrante ilegal flagrado em...

Continue lendo »

 
Comente Ler Comentário (1)
 
Enviado por Jair Onofre - 29.06.2015 07:05h
(*) Osvaldo Ventura

INTOLERÂNCIA

 

Um observador menos arguto poderia pensar que a roda da História está se movendo em sentido contrário, pois, o conservadorismo que se abateu atualmente sobre a civilização mundial é responsável por essa falsa concepção. Entretanto, basta uma visão histórica da evolução da humanidade para se descartar qualquer retrocesso permanente no caminho trilhado pelo ser humano. Para desespero daqueles que desejam deter os avanços sociais e pretendem reinventar a roda.

De acordo com um conceito popular, muito em voga nos transportes coletivos urbanos, o mundo está vivendo agora os efeitos de um “freio de arrumação”. Ou ainda, invertendo-se uma discutível declaração de Lênin, o mundo deu “um passo atrás, para poder dar dois passos à frente”.

Como não podia ser de outra maneira, o Brasil passa também por esse surto de conservadorismo. De repente, a intolerância, matéria prima do obscurantismo, se fez presente na seara da política, da religião, das etnias e da identidade de gêneros, desfazendo de uma vez por todas o mito do “brasileiro cordial”. É a régua da intolerância medindo os diferentes e disseminando ódios...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 02.05.2015 08:31h
Analise

Reforma política: o que está em jogo no Congresso

 
Deputado federal Marcelo Castro (PMDB-PI)

Deputado federal Marcelo Castro (PMDB-PI)

Poucas discussões são mais antigas em Brasília do que a necessidade de fazer uma reforma política. Há pelo menos vinte anos o assunto é discutido no Congresso, mas esbarra sempre na falta de consenso entre parlamentares e no jogo de interesses partidários movimentados pelo projeto. Pesa contra o tema justamente o fato de que a reforma tem de ser feita pela própria classe política, cujos interesses mudam a todo o tempo. Em 2015 a questão voltou à baila no Congresso. A comissão que analisa o tema foi instalada em fevereiro na Câmara. O calendário proposto pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), prevê que o relatório final do colegiado seja votado até meados de maio - e que o plenário vote o tema até o final do mês. Se os prazos se cumprirem, terá sido um avanço histórico sobre a questão. Ainda que o consenso não tenha sido alcançado, o relator da comissão, Marcelo Castro (PMDB-PI), tem definidos alguns dos principais pontos que serão analisados. E pretende apresentar seu relatório já na semana que vem. Leia mais na coluna Ponto de Vista do site Bahia na Política.

A reforma em questão prevê a reformulação do sistema eleitoral - e pode alterar desde o tempo de...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 16.04.2015 09:24h
Para reflexão

Golpe ou Parlamentarismo?

 
Advogado Hércules Oliveira

Advogado Hércules Oliveira

O Primeiro Reinado é a fase da História do Brasil que corresponde ao governo de D. Pedro I. Teve início em 07 de setembro de 1822, com a Independência do Brasil e termina em 07 de abril de 1831, com a abdicação do Imperador.

O Governo de D. Pedro I enfrentou muitas dificuldades para consolidar a Independência, pois ocorrem muitas revoltas regionais, oposições políticas internas e agrave crise externa, que também abalavam as estruturas do país e do Poder.

Em 1823, durante a elaboração da primeira Constituição brasileira, os políticos tentaram limitar os poderes do Imperador, era uma reação política a forma autoritária de governar do Suserano. Para se vingar, o Imperador, ordenou que as Forças Armadas fechassem a Assembléia Constituinte, inclusive alguns deputados foram presos. Reforçando a tese de autoritário, D. Pedro I escolheu dez pessoas de sua confiança para elaborar a nova Constituição, que foi outorgada em 25 de março de 1824, apresentando todos os interesses autoritários do Imperador, que além de definir os três poderes, ou funções estatais: Legislativo, Executivo e Judiciário, criou também, o Poder Moderador, exclusivo do Imperador, que lhe concedia diversos poderes políticos.

...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 19.11.2014 17:20h
(*) Osvaldo Ventura

Democracia e Corrupção

 
Escritor Osvaldo Ventura

Escritor Osvaldo Ventura

 Na Coréia do Norte, para citar atualmente o regime mais “fechado” no mundo, a corrupção é tratada com punições rigorosas, dentre as quais se destaca a pena de morte tanto para corrupto quanto para corruptor. Nem por isso, a reprovável e irrefreável conduta humana deixou de existir naquele país asiático. Inferindo-se, assim, que a questão não se esgota no simplismo da forma de governo, nem tampouco na apologia insensata de aplicação de castigos desumanos aos condena-dos.

Certamente, até hoje a repressão em nada diminuiu a ação dos corruptos e seus análogos corrup-tores. Ambos continuam encontradiços quer “deitado eternamente em berço esplêndido”, quer agasalhados nas gélidas terras milenares dos países nórdicos. A grande diferença é que nas plagas da Escandinávia, além da transparência na aplicação das verbas públicas, existem mecanismos de controle e fiscalização em poder da sociedade civil organizada, capazes de inibir a prática delituosa ou mesmo abortá-la no seu nascedouro.

Destarte, conclui-se que o nível de corrupção num regime democrático de direito é inversamente proporcional à imposição do princíp...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 08.06.2014 18:34h
*Hosannah Leite

QUEM TEM MEDO DA COMISSÃO DA VERDADE!?

 

A verdade é, sobretudo, importante para que os erros, agruras e infâmias do passado não mais se repitam. Esta situação é extremamente temida por aqueles que se acobertaram e se beneficiaram sob o manto da impunidade e do escamoteamento da realidade histórica, passando para a sociedade o lado daqueles que serviram a interesses escusos e que se beneficiaram direta e/ou indiretamente, com o manto da obscuridade e das distorções.

Assim foi a “história” escrita com as estórias relatadas sobre o primeiro de abril de 1964 e seus desdobramentos, com as elites apresentando os ângulos que melhor lhes aprouvessem. Esta situação tem seus arautos e saudosistas de plantão que, apesar das evidências, ainda teimam em continuar enevoando a realidade dos fatos que a história consolidou e as de ações que cidadãos abnegados no presente garimpam nos obscuros porões que a ditadura militar e seus ainda servidores, tentam esconder.

Aqui ou alhures, surgem vozes que buscam defender o indefensável, em mostrar positivas ações políticas dos que praticaram abomináveis atos de desrespeito aos mínimos direitos humanos. Os “bolsonaros” têm seus seguidores e saudosistas das ações perpetradas durante a grande noite dos 21 anos de terror e obscurantismo ...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 18.05.2014 18:57h
Hugo Navarro

DATA MEMORÁVEL

 
Nenhuma das efemeridades que a Pátria costumava lembrar com demonstrações de jubilo e civismo, como a da Independência, Proclamação da República e Abolição mereceram mais atenções e referências do que as dedicadas ao cinquentenário da Revolução de 64. Todas, evidentemente, para demonstrar erros, excessos e descomedimentos do regime militar e tentar manter a base de sustentação que deu o governo do país a chamada esquerda.    A grande plataforma da esquerda tem sido o combate ao Movimento de 64, mas o tempo passou, 64 vai ficando longe e é necessário diariamente tratar do assunto com os exageros possíveis, que levaram até à exumação de vitimas de prováveis assassinatos, ex-presidentes, hipótese desfeita pela perícia médico-legal, o que dá a certeza alentadora de que ainda restam pessoas honestas neste país.    A velocidade dos fatos desencadeados no 31 de março surpreendeu até as lideranças das Forças Armadas. O país inteiro vivia clima de preocupações e incertezas. Quando o movimento foi deflagrado, esperava-se luta e resistência em alguns Estados, inclusive na Bahia. Um chefe revolucionário confidenciou, tempos depois, a amigos, que as forças revolucion&aacu...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 06.05.2014 06:06h
Cadeia não foi feita para ladrão

A Petrobras foi loteada politicamente no governo Lula a partir de 2003

 
Em 2006, Lula nomeou Luiz Sergio Gabrielli presidente da Petrobras e Dilma Rousseff presidente do Conselho Administrativo da petroleira, provavelmente com a ordem para estes últimos comprarem a refinaria de Pasadena, no Texas. Como sabido de todos, aquela negociata deu um prejuízo de mais de um bilhão de dólares ao povo brasileiro. Este foi mais um crime da quadrilha instalada no poder.    Enquanto isso, o líder sindical Marco Prisco, que não cometeu nenhum crime, está preso na Papuda, em Brasília, para satisfazer a vontade do governador Jaques Wagner e do ministro da Justiça José Eduardo Cardozo.   O STF negou a liminar ao habeas corpus impetrado pela defesa de Prisco.   No dia seguinte, o mesmo STF julgou os crimes praticados pelo ex-presidente Collor durante o seu governo e absolveu o ex-presidente cassado.   Moral da história: podem roubar à vontade, pois cadeia não foi feita para ladrão!!   Quem tinha que estar na cadeia era Lula, Dilma, Wagner, Gabrielli e Collor. Não Prisco.   Enquanto isso, Marco Prisco, em decorrência da injustiça a que está submetido, apresentou no último final de semana um mal súbito, e este deputado, por ter coragem de denunciar, está respondendo a processo, requerido pelo Procurador Geral do Ministério Público da B...

Continue lendo »

 
Comente Ler Comentário (1)
 
Enviado por Jair Onofre - 01.05.2014 12:20h
1º de Maio

Dia de Lutas e Conquistas dos Trabalhadores

 
Em 1886, no dia 01 de maio, os trabalhadores dos Estados Unidos desencadearam movimentos exigindo, do governo, a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias e não mais a jornada escorchante de 13 horas como ocorria. Abraçaram uma greve geral, que paralisou o país, na justa luta reivindicatória do proletariado local que buscava uma forma mais digna e minimizadora da exploração do capital sobre o trabalho. Os desdobramentos nos dias imediatos provocaram mortes e ferimentos em dezenas de trabalhadores sem, contudo, o governo estadunidense atender ao pleito da classe operária. Em 1891, na França, nesta mesma data, uma forte repressão ocorreu e dezenas de operários manifestantes, mais uma vez, são mortos e/ou feridos.  Nos estertores do século XIX adota-se, através da Internacional Socialista (1889), o 01 de Maio como dia de comemoração das lutas dos trabalhadores e que, nesta data, mundialmente seriam desencadeadas manifestação em homenagem aos mortos que, nos seus sacrifícios, com sangue e vida, não desistiam de conquistar a jornada de 8 horas. Até os dias presentes, nos Estados Unidos não é reconhecida esta conquista e utilizam o artifício de comemorar em setembro como dia do trabalho. Dia do Trabalho, note-se, como forma de esconder as origens e lutas dos trabalhadores que f...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 26.04.2014 08:44h
Petrobras

O Brasil precisa parar de sangrar óleo

 
Fruto da luta dos nacionalistas, a Petrobras foi criada em 1953 e, daí em diante, tornou-se orgulho nacional, exemplo de eficiência, sinônimo de alta tecnologia, farol sinalizador de crescimento econômico e da autoestima do povo brasileiro.   A nossa empresa petroleira tornou-se uma gigante: 12° maior no ranking mundial. Tinha no binômio eficiência x eficácia o norte administrativo.   A partir de 2003, no governo do presidente Lula, ocorreu o seu loteamento político, tudo para obtenção de apoio político no Congresso Nacional.   O ex-presidente Lula exerceu um mandato de deputado federal, não quis concorrer a reeleição, e saiu atirando: “No Congresso Nacional tem cerca de 300 picaretas”. Deve ter sido, justo para aqueles, que distribuiu os cargos da petroleira.   Somou-se ao loteamento político, fato gerador de corrupção que lá se instalou, o fracasso da política econômica do PT. Na tentativa de mascarar a inflação, adotou a prática de não corrigir os preços da gasolina e do óleo diesel, impondo à Petrobras e a seus acionistas prejuízos continuados.   Seguindo esse rastro, o governo do PT, tendo à frente os presidentes Lula e Dilma, entregou a Petrobras para ser manietada por uma quadrilha, composta p...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 31.03.2014 06:24h
Ditadura Militar

50 anos do Golpe Militar no Brasil – Uma ferida ainda não cicatrizada

 

Ditadura é sinônimo de violência, de perseguições, de cerceamento de liberdades e de democracia. Foi o que ocorreu há 50 anos com o Golpe civil militar em 1º de abril de 1964. Uma grande mentira “real” que aplicaram sobre o povo brasileiro. Durante 21 anos de truculências, perseguições, da falta de liberdade e democracia, de cassações, mortes e expulsões de brasileiros de sua pátria, de prisões arbitrárias e de torturas como política de Estado, sempre com a conivência e apoio dos grandes grupos econômicos e de militares impatrióticos, o Brasil viveu uma sanguinária ditadura militar.   Uma grande noite cinzenta de mais de duas décadas de sofrimentos do povo brasileiro cujos murmúrios de pais, mães, filhos, parentes e amigos eram abafados e ocultados através de nefastas censuras. As prisões militares ficaram abarrotadas de pessoas que ousavam protestar e resistir ao arbítrio e aos descalabros da ditadura.    Convergiram interesses de grupos monopolistas nacionais e internacionais, na direção dos anseios dos militares que procederam o golpe, aliados à grande imprensa local e estrangeira a serviço do capital; de uma classe média vacilante; de uma maioria religiosa iludida pela propaganda do anticomunismo, recebendo recursos d...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 02.12.2013 14:20h
Ponto de Vista

O Poder da manipulação

 
Escritor Osvaldo Ventura

Escritor Osvaldo Ventura

Pela inexistência atual de comunista devorador de criancinhas, a elite brasileira, eterna adversária irracional e raivosa de governos com viés popular, trocou de estratégia. No passado, aterrorizava as massas com o fantasma do comunismo ateu, que viria provocar a dissolução da família, a extinção da propriedade privada e causar a divisão de tudo, para estabelecer o caos. Projetava-se, então, no âmbito das camadas desprovidas de informação, no meio dos inocentes- úteis e analfabetos políticos, que o apocalipse estava sendo trazido no ventre do comunismo destruidor. Hoje, com um governo trabalhista no Brasil e sem o “fantasma” do comunismo, era necessário substituir os velhos, desgastados e anacrônicos argumentos pretéritos. Então, surgiram novas alegorias de um antigo enredo, sem o ranço do anticomunismo, porém com maior capacidade de difusão do reacionarismo, manipulação dos crédulos, dos incautos e ingênuos, distorção dos fatos, disseminação das aleivosias e transformação das mentiras absurdas em verdades absolutas. Tudo isso com a participação danosa e ostensiva do poder incontrastável das corporações midiáticas, de propriedade das classes dominantes nativas, quiçá, as mais ...

Continue lendo »

 
Comente Ler Comentário (1)
 
Enviado por Jair Onofre - 30.10.2013 09:16h
Opinião

Ordem pública e democracia

 
Marcelo Alexandrino

Marcelo Alexandrino

Estamos vivenciando no país fatos que nos deixam preocupados e alarmados. Um instituto legalmente constituído e sob fiscalização federal foi invadido para liberar cães utilizados como cobaias. Um coronel da polícia militar de São Paulo foi covardemente agredido, quase linchado, em manifestações do movimento passe livre.  Um renomado sociólogo foi impedido de expor suas ideias porque um grupo de 30 estudantes não concorda com ele.   Não quero entrar no mérito de nenhuma das questões que balizaram estas ocorrências, porém o fato é o total desrespeito a ordem pública e a democracia.   O Instituto em questão, o Royal, possui licença legal de funcionamento e passa por constantes fiscalizações dos órgãos competentes. Se existem grupos que discordam da utilização de animais em experimentos científicos, utilizem o caminho correto da justiça e da democracia, promovendo debates e ações que venham a justificar e defender suas ideias, e caso não obtenham sucesso em suas investidas, que perseverem dentro da lei e da ordem de um estado democrático. Quando discordamos de determinada lei, não temos o direito de descumpri-la. Temos o direito de lutar para alterar o seu conteúdo, adequando aos interesses...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 02.10.2013 15:35h
Ponto de Vista

Idoso - 10 anos do seu Estatuto

 
Hosannah Leite

Hosannah Leite

Hosannah Leite * Promulgada em 1º de outubro de 2003, a lei nº 10.741 estabeleceu a criação do Estatuto do Idoso, resgatando o contido na Constituição Federal de 1988. Apesar de muitos avanços alcançados, muitos deles não passaram de formalizações legais sem que os poderes públicos buscassem e exijissem as suas aplicabilidades. Vejamos: 1. A legislação faculta aos idosos prioridades nos atendimentos nos diversos estabelecimentos comerciais, bancários, etc. O que se vê é o desrespeito rotineiro a esse direito. Filas são “criadas” com o intuito de reservar “atendimento especial” a diversos segmentos da sociedade, inclusive maiores de 60 anos. É comum que o número de pessoas nestas filas sejam maiores que as filas normais de atendimento, punindo o idoso e outras pessoas especiais, ao invés de favorecê-los, conforme estabelece o espírito da Lei. Além desta ocorrência é comum o fato da transgressão pelas empresas ao não observarem esse direito, levando os idosos a exigirem seus direitos, quando assim resolvem se manifestar, criando um constrangimento entre cidadãos. É necessário que a fiscalização dos órgãos públicos, de fato, façam valer o direito dos idosos, inclusive nos se...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 29.08.2013 10:40h
Ponto de vista

Síria – Uma situação explosiva

 
Hosannah Leite

Hosannah Leite

Estamos vivenciando uma possibilidade de guerra "infernal". Os interesses estratégicos militares cruzam-se com os interesses econômicos. A alternativa de bombardeio à Síria desvia a atenção da crise de "espionagem" e coloca em primeiro plano a situação de guerra no Oriente Médio. Sempre os mesmos os envolvidos: EUA, Inglaterra, França e outros aliados. Coréia, Vietnã, Bósnia, Afeganistão, Iraque, Líbia, etc, são receptadores dos "bombardeios humanitários". O Império expande os seus tentáculos. Hoje, em foco, a Síria. Amanhã, o Irã. Depois, a Venezuela que é a maior reserva de petróleo do mundo. E o Brasil, com suas reservas minerais e aquíferas, quando será???? Vivemos uma época bem enevoada. O que será dos nossos filhos??? Netos???? Sempre os interesses econômicos e estratégicos militares a pressionar. Não basta a miséria espalhada pelo mundo fruto da exploração do capital? É preciso através das armas ampliar e solidificar o poderio imperial do Capital Financeiro.  São dias sombrios. A Onu (?) ainda está a verificar a ocorrência de uso de arma química e quem a usou. Claro que vão culpar a Síria e seu governo.Nunca serão os mercen&a...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 20.08.2013 15:57h
O que pensa sobre

Insegurança Pública

 
Todo mundo se pergunta por que a violência cresceu tanto nos últimos tempos e se há alguma maneira de minimizá-la. Além do aumento significativo da população e, por consequência, o aumento da desigualdade social, outras questões contribuem para esse estado de insegurança do qual estamos reféns: A polícia tem um efetivo reduzido, é mal remunerada, não tem o preparo adequado e, diante disso, alguns policiais se arvoram por caminhos incompatíveis com suas funções, criando empresas de segurança (muito semelhantes às milícias, pois seus integrantes não tem formação para tal atividade); o judiciário abarrotado de processos e com número insuficiente de juízes; desprezo pela moral e pela ética; investimento insuficiente na educação; corrupção, impunidade etc. Enfim, os problemas são fáceis de diagnosticar, mas e as soluções? Não há dúvida que a educação é capaz de reduzir o problema da violência, mas isso a médio e longo prazo. Por isso o esforço tem de ser conjunto. Investir mais em educação, quantificar e qualificar os profissionais envolvidos com nossa segurança e dar-lhes salários dignos, aumentar o número de juízes e puni-los de maneir...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 25.06.2013 12:53h
Celi Mendes Rios

A vida em rede e as comunidades virtuais

 
No mundo globalizado, os processos sociais, políticos, econômicos e culturais estão tão interligados que a noção de territorialidade e regionalidade se “somam num só processo em tempo real, no planeta inteiro”1,  o que é uma característica básica da atual sociedade pós-moderna: a sociedade em rede. As cidades pós-modernas estão envolvidas num processo tão complexo de redes interativas de comunicação, que surgem novas formas de  exclusão e inclusão do homem na sociedade, segundo M. Castells: os “ativos na rede”, “passivos na rede” e os “desconectados” .   É de extrema importância a forma como o homem enfrenta este novo desafio, porque historicamente a evolução das sociedades sempre esteve intrinsecamente ligada a como reagimos a algo novo e a forma de adaptação a essa nova realidade definirá o nosso futuro.   No texto: A emergência das comunidades virtuais, o autor discute o papel revolucionário da internet no processo de comunicação humana, suas muitas facetas, possibilidades e consequências. Quando falamos em comunidade, nos referimos a um determinado grupo, que ocupa um lugar no espaço e interage fisicamente no mesmo, mas quando usamos o mesmo termo “comunidade” p...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 30.05.2013 12:18h
Thiago Rios

A mídia golpista e o aliado inesperado

 
Os grandes conglomerados de mídia do Brasil, que prestam o desserviço de desinformar e manipular a população, tem ganhado aliados inesperados. Em entrevista nas páginas amarelas da nefasta revista Veja, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT-BA), se presta a endossar as práticas de uma imprensa conservadora e golpista.   Os conglomerados de mídia no país cumprem o papel de correia de transmissão dos reacionários em defesa do estado mínimo. Pelo arrocho salarial e precarização nas relações de trabalho. Contra os direitos sociais e a distribuição de renda. É exatamente contra isso que a CUT tem lutado, em defesa da comunicação como um direito humano elementar, que o Estado deve assegurar com políticas públicas específicas.   Sobre a revista Veja, não é preciso muito esforço para definir um veículo que se presta a criminalizar os movimentos sociais e a luta pela reforma agrária. É a favor da privatização do que quer que seja, incluindo os setores de infra-estrutura. Faz uma campanha intermitente para desqualificar o programa Bolsa Família. Se posiciona contra as cotas e o Prouni. Abomina a PEC das domésticas.   É nesse espaço conservador, que em recente entrevista, Wagner se sai com a pérola de...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 13.05.2013 15:21h

Cidadania e os Direitos Humanos

 
  Dois temas recorrentes nas discussões políticas são a cidadania e os direitos humanos. Fala-se de resgate de cidadania, cidadania plena, assim como das lutas pelos almejados direitos humanos. Na realidade a história da cidadania confunde-se em muito com a história das lutas pelos direitos humanos. A cidadania esteve e está em permanente construção; é uma referência das inúmeras conquistas da humanidade, através daqueles que sempre lutam por mais direitos, maior liberdade, melhores garantias individuais e coletivas, e não se conformam frente às dominações, seja do próprio Estado ou de outras instituições ou pessoas que não desistem de privilégios, de opressão contra uma maioria que tem dificuldades de se fazer ouvir, exatamente por que lhe é negada a cidadania plena cuja conquista, ainda que tardia, não será impedida.     Ser cidadão é, então, ter consciência de que se é sujeito de direitos. Direito à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade, enfim, direitos civis, políticos e sociais. Mas este é apenas um dos lados da moeda. Cidadania pressupõe também deveres.    De acordo com o Dicionário de Direitos Humanos : "Cidadania pode ser entendida como parti...

Continue lendo »

 
Comente Ler Comentários (2)
 
Enviado por Jair Onofre - 06.05.2013 06:59h

Plano Diretor: “Os interesses contam com a demora”

 
“A Prefeitura de São Paulo vai rever o Plano Diretor com a população”. Este é o título da matéria que li em 28 de abril de 2013, domingo de Micareta. Logo, remeto-me à nossa Feira de Santana e ao fato de termos passado os últimos quatro anos em que estivemos na Câmara Municipal, invocando a revisão e atualização do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) local.   Na matéria segue-se anúncio de que propagandas na TV, cartilhas e outros meios serão utilizados para convocar a população a participar da revisão do PDDU.   O Plano Diretor é a Lei que traça diretrizes básicas para o planejamento municipal, influenciando outros importantes mecanismos legais, como a Lei do Uso e Ocupação do Solo, por exemplo. Para a sua revisão faz-se necessário vontade política do gestor, visão estratégica para a cidade e participação popular. Comunidade, governo e entidades da sociedade civil devem estar concentrados na tarefa de avaliar o Plano existente e através de ferramentas de consultas à população como audiências públicas, propor alterações e aplicabilidade de novas ideias.   Enquanto em São Paulo, o novo Prefeito Fernando Haddad, percebe de pronto a dimensão e impo...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 02.04.2013 08:53h
Por Carlos Chagas

O 31 DE MARÇO E AS MÃOS DO GATO

 
Noves fora os furibundos defensores de tudo o que aconteceu nos 21 anos do regime militar, importa lembrar: a opinião pública não reagiu ao golpe. Pelo contrário, parte da população apoiou,  a maioria apenas assistiu. Insurgiram-se muito poucos, mesmo assim, retoricamente. O governo João Goulart caiu feito um castelo de cartas, em parte por obra e graça do então  presidente, que desautorizou a resistência armada. Ainda no palácio das Laranjeiras, no Rio, impediu o ministro da Aeronáutica de mandar bombardear com petardos incendiários as ainda insipientes tropas do general Mourão Filho, entre Juiz de Fora e  Petrópolis. Inocentes que habitavam a região seriam queimados, coisa para ele inadmissível. Mandou regimentos da Vila Militar subirem a serra, mas eles aderiram ou voltaram sem disparar um tiro. De São Paulo, o II Exército  apoiou a rebelião e lançou-se na estrada para o Rio. No resto do país, a mesma coisa.                                                                   Jango percebeu o perigo de permanecer na antiga capital, já dominada pelos insurgentes. Tentou ficar em Brasília, mas não contou com a   g...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 19.03.2013 10:40h
Desabafo

Minha família e a Lei Seca

 
Como mãe de família, esposa, mãe de três filhos, quero agradecer com a mais sinceridade do meu espírito às autoridades que criaram e as que mantém a chamada Lei Seca de forma ostensiva nas ruas, ajudando a salvar vidas de motoristas e de pedestres.   Mas, muito mais do que isto, agradecer porque estão ajudando a resgatar o lar, o tão sagrado lar, a célula mater da sociedade, que é a família. Na minha casa, depois da aprovação e execução desta Lei Seca, tenho presenciado como nos fortalecemos, eu, o meu marido e os meus filhos. Meu marido, um homem honesto e trabalhador, agora menos frequente no bar, tem nos dedicado mais tempo, estando mais presente em casa. Não que ele fosse um beberrão, um alcoólatra, nada disso. Porém, está mais presente, ao ponto do nosso filho, de 17 anos, que costumava passar grande parte do tempo com pessoas que sequer eu conhecia, também estar mais em casa, ora conversando com o pai, ora jogando xadrez ou perguntando coisas da vida, pois o pai está mais presente, mais em casa, preocupado com a família.   A consequência positiva da Lei Seca para a nossa família, e acredito que também para outras famílias, é bem maior. Meu marido costumava deixar pelo menos R$ 30,00 por dia nos bares, o que equivale a quase R$ 900,00 por m&ecir...

Continue lendo »

 
Comente Ler Comentário (1)
 
Enviado por Jair Onofre - 11.03.2013 09:53h
Artigo

América Latina: Hugo Chávez e o fosco discurso das elites

 
Ontem, ao acordar pela manhã, ouvi uma frase que me levou a refletir. O repórter, Jorge Pontual, da Globo News, dizia: “Vocês não imaginam o que é viver num país governado por um tirano”. O contexto da frase era mais extenso mas, a essência era, mais ou menos, isso, como se nós, aqui no Brasil, na América Latina, jamais tivéssemos vivido situações de domínio de tiranos.   Sei que muitos passos ainda haverão de ser dados na Venezuela, sei que Cuba não vive um processo democrático como o nosso, e que ainda resta muito a fazer naquele país. Mas, dizer que não conhecemos o que é viver sob a tirania, dito por aquele repórter, como algo inusitado, me pareceu ser um interesse em se desfazer da memória desse País. É só lembrarmos do Golpe Militar de 1964 e, tantas outras épocas, tivemos pelo menos uns quatro momentos ditatoriais por demais efusivos na nossa história, para saber do que estou falando. Sem nenhuma dúvida essa foi uma tentativa de fazer com que esses momentos fossem esquecidos.   Nasci no dia 31 de março de 1964 e, por ironia do destino, minha mãe me registrou no dia 30, dia que acabou sendo também do nascimento da minha segunda filha Luiza. Sou filho desse processo que vivemos, do Brasil da ditadura e do Brasil democrá...

Continue lendo »

 
Comente Ler Comentários (2)
 
Enviado por Jair Onofre - 18.02.2013 08:52h
Por Hugo Navarro

A PRAÇA DA CACHAÇA

 
Foto: Ex-deputado e jornalista Hugo Navarro

Foto: Ex-deputado e jornalista Hugo Navarro

O jornalista Jair Onofre está a denunciar no seu blog, o estado de abandono e decadência da “Praça de Alimentação” implantada durante o primeiro governo de José Ronaldo, transformada, hoje, na “ Praça da Cachaça”, perigoso sitio onde menores praticam toda sorte de crimes e a maioria dos boxes abre somente à noite a “ Praça” abriga toda sorte de pedintes, bêbados, e desocupados, que do local fizeram asilo predileto e perigoso, de onde deve sair boa parte da criminalidade que se espalha , como praga , sobre toda a cidade.   Quando a prefeitura criou a “Praça de Alimentação” no centro comercial, inspirada, certamente, no que se faz, geralmente com ampla aceitação nos modernos shoppings, visou principalmente a facilitar o relax após o trabalho e dar movimento e vida a uma parte central da cidade que se esvaziava rapidamente após as atividades cotidianas, além de favorecer a criação de pequenos negócios e empregos e ampliar a possibilidade de renda. Não pretendia inventar um centro de bagunça, um dormitório de mendigos e vagabundos e um abrigo de criminosos.   A ideia nos primeiros anos funcionou. Na “Praça de Alimentação” houve palcos, espetáculos, variados apresentações artí...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 30.01.2013 05:51h
Hugo Navarro

A Câmara e o Presidente

 
O presidente da Câmara Municipal, Justiniano França, que justiça se lhe faça- fala pouco e dentro dos limites da sensatez, no início da semana, em entrevista, deixou claro o seu propósito de esclarecer, para o povo, os verdadeiros limites da Casa que dirige para o povo, e até onde vai, legalmente, o trabalho do legislador municipal, cujos encargos e responsabilidades não devem ser confundidos com os do executivo, o que equivale a dizer que aos integrantes do ramo legislativo do governo do Município não é lícito, nem conveniente, meter-se no que lhe não compete, a construir pontes de Itaparica como se o povo não desejasse mais do que brincadeiras, enganos, e tapeações e, de vez em quando, eleições e voto. É fato que a Constituição de 88, nos seus arroubos e exageros anti-64, em vários pontos descambou para a demagogia, a começar no seu artigo primeiro, em que estabelece que a República Federativa do Brasil “é formada por Estados e Municípios”. Comentaristas alertam para o fato de que a Constituição dá, ao modelo federativo de estado a condição de conseqüência da República é forma de governo e federação é forma de estado. A Carta Magna de 88, aliás, repete metalinguagem que vem do Decreto de n&o...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 22.12.2012 07:31h
Hosannah Leite *

EM DEFESA DE NOSSAS RIQUEZAS E DA SUSTENTABILIDADE

 
Foto: Hosannah Leite é Economista, Professor Universitário e Homem Público

Foto: Hosannah Leite é Economista, Professor Universitário e Homem Público

A maior parte da nossa história econômica foi sempre a de grande exportador de matérias primas. Ciclos do pau-brasil, do ouro, da cana-de-açúcar, do café e hoje do agronegócio globalizado, com múltiplos direcionamentos. Muitos desses ciclos são renováveis e, outros, de recursos esgotáveis. Se por um lado os renováveis exaurem os nossos solos que podem ser “corrigidos” com os recursos da tecnologia, mesmo danosos, não acontece o mesmo com os recursos minerais que após extraídos não se recompõem.

O povo brasileiro sempre lutou para que saíssemos da condição de meros exportadores de bens primários e adentrássemos à condição de produtor de bens industrializados, mola motora que move e dinamiza a economia de um país, agregando valor às matérias primas e gerando, internamente, empregos e renda.   A partir dos anos de 1930, com a política desenvolvimentista industrial, redirecionamos a nossa base econômica rumo à substituição de importações e conseguimos adentrar no mundo de países com dinâmica econômica movida pela industrialização. Como se deu e quais os resultados é assunto para outras considerações. O fato é que tínhamos que sair da co...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 01.12.2012 06:06h
Hugo Navarro

A Virgindade que abalou a Câmara

 
Foto: Jornalista Hugo Navarro

Foto: Jornalista Hugo Navarro

Os leilões de virgindade, que estão virando moda e ampliam a oferta da prostituição pela Internet, até que não provocaram reação de sociedade de inaudita, licenciosa e incontrolável permissividade. Foram recebidos, no geral, por empulhação, vigarice e falta de vergonha, que neste país estão a se transformar em epidemia, atingindo gregos e troianos, governantes e governados. Não encontraram resposta além da chalaça, do achincalhe e da desconfiança, despertando aquele sentimento de alerta que atinge algumas pessoas quando se descobre algum novo “golpe” na praça, salvo nesta cidade, onde ocorreu repetida e remoída, falada e escrita, a notícia de que um vereador deste Município havia ingressado no leilão promovido por certa e respeitável senhora do interior do Estado, fazendo não desprezível lance.

O invulgar interesse, entretanto, somente apareceu depois que a Câmara, amedrontada com a risível imputação, sentindo se ofendida na sua fortaleza moral e nos seus invictos pundonores, resolveu adotar drásticas providências para apurar os gravíssimos fatos. Alguns vereadores, assaltados de medos e cercados de imoderados escrúpulos diante do boato um tanto ou quanto safado, é verdade, pediram providências à dire&cced...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 31.10.2012 15:06h
Ponto de Vista

Formação do Governo

 
O administrador Marilton Carvalho

O administrador Marilton Carvalho

Terminada as eleições de 2010, onde o candidato ao Senado Federal José Ronaldo de Carvalho obteve uma votação pra lá de expressiva em Feira de Santana, digna de um vencedor, mas como dois dos demais candidatos receberam em todo Estado somatório de votos superiores, não foi possível ocupar um das duas vagas para representar a Bahia em Brasília.

Depois de descansar por alguns dias foi ouvir as bases, correligionários, amigos políticos, etc., daí começou o trabalho árduo para a campanha de retornar a prefeitura de Feira de Santana, reuniões, conversas, acordos políticos, conseguindo reunir em um só palanque as forças políticas da Princesa do Sertão, João Durval, Colbert, Roberto Tourinho, filho do prefeito José Falcão, Luciano Ribeiro e um numero significativo de peemedebistas históricos, não bastando toda esta força coligou com quatorze partidos políticos, grandes e pequenos, e no somatório de mais de trezentos candidatos a vereador, obteve o maior tempo de tv e radio, todos unidos contra as três maquinas de governos, municipal, estadual e federal, venceu.

Depois da vitória, mais do que justo alguns dias para refletir e descansar, ficar longe do assedio de jornalistas, repórteres e dos correligionários que desde há pr...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 22.10.2012 07:00h
por Felipe da Silva Freitas[1]

AS COTAS E A DEMOCRACIA

 
Foto: Felipe da Silva Freitas que é bacharel em direito

Foto: Felipe da Silva Freitas que é bacharel em direito

Foi assinado na última semana o decreto que regulamenta a Lei de Cotas aprovada pelo Congresso Nacional determinando a reserva de metade das vagas de universidades e institutos federais para alunos de escolas públicas, negros e índios. Nas palavras da própria presidenta Dilma Rousseff, trata-se de uma medida que contribui para saldar uma dívida histórica do Brasil com os jovens pobres enfrentando o duplo desafio de democratizar o acesso às universidades e manter o alto nível de ensino com respeito à meritocracia.

A adoção de política de cotas nas universidades federais soma-se a outras conquistas importantes no campo da promoção da igualdade racial. Assim como a adesão do Brasil às resoluções da III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, em 2001; a aprovação do Estatuto da Igualdade Racial, em 2010 e a declaração pelo Supremo Tribunal Federal da constitucionalidade das políticas de ações afirmativas para negros nas universidades, em 2011, a aprovação da Lei de Cotas marca a consagração das políticas de ações afirmativas como mecanismos constitucionais justos e necessários para a promoção da igualdade racial.   Trata-se de uma conquista que é fruto da luta dos movimentos sociais negros e que c...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 10.10.2012 09:35h
(*) Osvaldo Ventura

O Sacrossanto PIB

 
Foto: Ex-vereador e escritor Osvaldo Ventura

Foto: Ex-vereador e escritor Osvaldo Ventura

A continuar a busca incessante pelo desvairado crescimento econômico, pela valorização excessiva do Produto Interno Bruto em cada país do mundo, a humanidade estará fadada a desaparecer. Sim, porque em última instância, o aumento constante e ilimitado do PIB, como se afigura hoje, provocará, fatalmente, o esgotamento dos recursos naturais disponíveis em nosso planeta, colocando um ponto final na aventura humana. Catastrofismo?! Realidade: imagine-se a população da China e da Índia com o mesmo nível de consumo dos Estados Unidos da América!

Para o capitalismo neoliberal e consumista, o ser humano representa pouco frente a números, estatísticas e desenvolvimento econômico mensurado pela régua ameaçadora do indefectível Produto Interno Bruto. O PIB se tornou o Bezerro de Ouro de nossos dias, adorado e idolatrado nos quatro pontos cardeais da Terra, como se esse novo deus operasse o milagre da transformação da miséria de um país, em riqueza de seu povo. É falsa essa premissa, na medida em que o lucro do consumo de bens e serviços produzidos em uma nação é escandalosamente expropriado pelas classes dominantes, em prejuízo de melhores condições de vida de seus habitantes. E isso acontece constantemente em regiões onde a pobreza predomina, pois ...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 22.08.2012 15:30h
Opinião

Política com Educação

 

 

O grande estadista francês Charles de Gaulle tinha razão quando afirmou que "O Brasil não é um país sério".

Em uma analise sem aprofundar nas questões vemos que nada nestes pais é levado a serio, em nosso estado ou em nosso município. As denuncias de corrupção surgem a cada dia nunca são apuradas totalmente, os corruptos e corruptores ficam impunes, entram no esquecimento, não conheço nenhum que ficou preso e teve que devolver o total roubado.

Agora o Brasil todo esta prestando atenção no Supremo Tribunal Federal STF , quando julga os envolvidos no mensalão, ninguém acredita que haverá condenações, alguns juristas afirmam que alguns crimes estão prescritos, assim alguns menos prestigiados serão dados como culpados, mas não sofrerão nenhuma sanção. O caso Cachoeira já é pouco lembrado.

Como um país pode ser serio se a educação das nossas crianças esta entre as piores do mundo? Recentemente saiu o resultado do IDEB, divulgado pelo MEC, aqui na Bahia a nota maior alcançada pelos estudantes da rede publica foi de 6,7 , 1a  a 4a. serie  num colégio municipal de  Lacínio de Almeida, cidade pouco conhecida de todos nós baianos. Em Feira de Santana o...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
Enviado por Jair Onofre - 23.07.2012 11:32h
Opinião

Alternância de Poder

 

 

Feira de Santana-Ba – Ano de 1962, há exatamente 50 anos, numa disputa acirrada entre João Durval (UDN) e Francisco Pinto (PSD), venceu aquele que apresentava as idéias mais populistas, Chico Pinto. Um ano e poucos meses de governo veio o golpe militar de 64, é deposto, preso e torturado, substituído em maio de 64 pelo então vereador eleito pelo partido contrario o Professor Joselito Amorim que governa por dois anos com o aval dos militares.

1966 - Feira de Santana com menos de 200 mil habitantes, não estava entre as cidades de segurança nacional, assim era permitido a escolha do governante pelo voto direto. João Durval mais uma vez candidata-se, seu adversário o tabelião do cartório, Sr. Antonio Araújo, vereador representando um distrito rural, homem de pouca expressão política e poucos votos, era o tempo da ditadura e ninguém queria correr o risco ser preso e torturado, venceu facilmente o candidato dos militares.

1970 - Copa do Mundo de futebol, Brasil tri-campeão, mais uma eleição direta, Newton Falcão, filho do coronel João Marinho Falcão da antiga UDN, (Arena), disputa com José Falcão da Silva, advogado do Banco do Brasil, candidato do MDB, vence com pouco mais de 300 votos o representante da elite feirense e dos militares, para um mandato de apenas dois...

Continue lendo »

 
Comente Sem Comentários
 
 

 

 
 
 
 


União Médica

 
 
 
Facebook
 
 
BAN CAF CULTURA
 
REVISTAS DIFEL
 
 
TWITTER
 
LUCY REGE
 
 

2017

2016

2015

 
    Bahia na Política © Todos os direitos reservados.
www.bahianapolitica.com.br E-mail: contato@bahianapolitica.com.br
RSS
by M9 Design e Tacitus Tecnologia